terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Quando o interesse é privado...

 
Comentário: Esta é uma daquelas situações em que os "atuais" não questionam os seus "antecessores", isto é, ao contrário de muitos outros compromissos nesta situação particular os mesmos são assumidos. E nem mesmo a "ameaça" (que dificilmente terá resultados) do atual Ministério da Educação em reequacionar a rede de escolas do ensino particular e cooperativo com contratos de associação serve para nos distrair do óbvio. Se bem que os políticos não se importem muito com o óbvio quando o interesse é privado...

Nem mais...

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Ausência a reuniões de natureza pedagógica = 2 tempos


Sendo, aparentemente, uma questão que não levanta grandes dúvidas, a verdade é que as há, particularmente quando essa falta ocorre num dia em que o docente não tenha registado no seu horário qualquer outra atividade (ie, coincide com o dia de trabalho individual - vulgarmente designado por dia livre).

No meu entendimento, a resposta a esta questão encontra-se no ponto 7 do Art.º 94 do Estatuto da Carreira Docente (cuja versão consolidada podem consultar neste link)

“7 - A ausência a outras reuniões de natureza pedagógica convocadas nos termos da lei é considerada falta do docente a dois tempos lectivos.

Se dúvidas subsistirem, repare-se no que explicitam os pontos imediatamente anteriores ao acima transcrito  (pontos 5 e 6 do Art.º 94 do ECD). Assim, estes referem, com clareza, as únicas circunstâncias em que a uma falta corresponderá sempre a um dia:

5—É considerado um dia de falta a ausência a um número de horas igual ao quociente da divisão por cinco do número de horas de serviço docente que deva ser obrigatoriamente registado no horário semanal do docente.

6—É ainda considerada falta a um dia:
a) A ausência do docente a serviço de exames;
b) A ausência do docente a reuniões que visem a avaliação sumativa de alunos.”

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Bom fim de semana...

...alargado. ;)

Música de "Rudimental feat. Ed Sheeran" - (Tema: - Lay It All On Me)

É mesmo um Carnaval...


Suspensão do novo programa de Matemática A?

 
Comentário: Bem... Até poderá ser impossível cumprir o programa de Matemática A, mas não sei como tal seria possível ainda este ano letivo e já com parte do 2.º período letivo lecionado. No entanto, e mesmo considerando o 10.º ano como parcialmente "perdido", penso que algo poderá ser feito para que o programa seja alterado antes da sua implementação nos anos de escolaridade subsequentes.

E para quem achava que íamos ter abundância...

 
Comentário: E se ficaram chateados com isto, tomem lá mais uma pérola para irem bem dispostos para o fim de semana: "Em sentido contrário, com um ganho de 6%, estão as transferências do Estado para o ensino particular e cooperativo, que este ano terão um aumento de 14,4 milhões de euros".

Mudam-se os Governos, mas permanece sempre o forte lobby privado...

Proposta de suspensão de renovação por um ano

 
Comentário: A ideia da FENPROF será mesmo a de colocar alguma "ordem na casa" das renovações, suspendendo-as já neste próximo concurso e fazendo algo similar a um reset deste mecanismo previsto na atual legislação dos concursos. Algo que me parece fazer algum sentido (nomeadamente agora que se deverá extinguir a Bolsa de Contratação de Escola) no sentido em que a renovação poderá "subverter" de alguma forma a graduação profissional, mas que contraria toda uma política de (falsa) estabilidade introduzida por Maria de Lurdes Reis Rodrigues.

Se o fim da Bolsa de Contratação de Escola até foi consensual entre os professores (com óbvias exceções para os "amigos" das cunhas), não creio que aqui recolha tão grande unanimidade...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Gosto...

Música dos "Coldplay" - (Tema: Hymn For The Weekend)

Mais um daqueles estudos a atestar o que sabemos

 
Comentário: De vez em quando (arriscaria a dizer "anualmente") são publicados estudos com resultados similares a estes... Sinceramente, já nem lhes ligo muito pois constatam os tristes efeitos das políticas educativas dos últimos anos e acordam-me ainda mais para uma realidade que ainda vou resistindo assumir.

Quantos aos números... Desconheço a realidade nacional, mas conheço a realidade de várias escolas e suspeito que seja mais preocupante que aquela obtida com uma amostra de 1000 docentes. Alguns já terão ultrapassado os limites do burnout e atingido mesmo o mental disorder.